Saber como motivar os alunos para a aprendizagem é uma questão que deve pontuar parte de muitos pensamentos dos professores. Afinal, fazer com que os alunos se engajem na sala de aula não é uma tarefa fácil. Para que isso ocorra, é necessário incentivá-los, mas de que maneira?

Na verdade, a solução para esse problema está na palavra inovação. Ela que tornará as aulas mais interessantes e atrativas. Dessa forma, é necessário utilizar a criatividade e técnicas para que os conteúdos sejam absorvidos e os objetivos alcançados. Isso fará com que os estudantes sintam vontade de aprender.

Por esse motivo, trouxemos 5 dicas para que você possa aplicar nas aulas. Confira!

Compreenda o atual cenário de pandemia e aulas on-line

Com a pandemia de Covid-19, o Brasil precisou suspender as aulas presenciais e se adaptar, em questões de dias, à transmissão das matérias pela aprendizagem remota. Essa transformação no cenário educacional fez com que as práticas pedagógicas fossem reinventadas.

No entanto, o processo enfrenta, até hoje, diversos desafios. Entre eles, a formação dos docentes para o uso da tecnologia, a ausência de equipamentos na casa dos alunos e a falta de criatividade para propor aulas atrativas. 

Por outro lado, as escolas que já vinham trabalhando com essa evolução anteciparam a tendência e conquistaram a atenção dos alunos e de seus pais. Todavia, independentemente do sucesso ou dos desafios, diretores, coordenadores e professores estão dando continuidade às matérias e se reinventando para cumprir a grade curricular. 

Essa presença contínua da tecnologia, que antes era vista como uma inimiga em sala de aula, tornou-se grande parceira e um dos atributos para que os alunos se interessem pela disciplina. Afinal, eles têm na palma da mão o conhecimento na hora e no lugar que quiserem.

Desse modo, a aprendizagem precisa fomentar ações transformadoras ao conhecer o perfil do aluno, criar modelo de aula, usar tecnologia e acompanhar o desempenho de todos, de ponta a ponta.

Veja 5 dicas de como motivar os alunos para a aprendizagem

Para não dar margem à desmotivação, é fundamental que os docentes realizem cognições motivacionais positivas e estimulem a autoeficácia dos estudantes. Essas ações são relevantes para que os alunos tenham vontade e curiosidade de aprender. Saiba como fazer isso, nas orientações abaixo.

1. Associar as atividades de sua aula com outras mídias

É essencial que o aluno faça parte do processo da sua aprendizagem e não se torne apenas o receptor da mensagem. Sendo assim, é importante que o professor trabalhe na sua disciplina com outras mídias, como vídeo, imagem, gif etc., para exemplificar um conteúdo.

Também, pode pedir que os alunos criem algumas delas, mostrando o que aprenderam. Assim, a aula ficará mais dinâmica e ilustrativa, apresentando outras possibilidades. 

Dessa forma, aproveite ao máximo, nas práticas pedagógicas, o uso de ferramentas digitais para o dia a dia de suas aulas. Esses instrumentos otimizam o aprendizado, facilitam a compreensão e melhoram o desenvolvimento dos estudantes.

Um recurso que atrai muito os jovens são os jogos digitais, que podem ser empregados conforme a necessidade. Por exemplo, a Conexia oferece plataformas gamificadas, como a Liga das Corujinhas para Educação Infantil e o Educacross para o Ensino Fundamental, que – além de gerar dados para os professores – proporcionam uma trilha de aprendizagem personalizada para os estudantes, totalmente integrada aos conteúdos trabalhados em sala de aula.

2. Relacionar os conteúdos com a resolução prática real

Ao aplicar o conteúdo, é importante que ele esteja relacionado com os problemas reais que os estudantes vivem no seu dia a dia. Isso ajuda na compreensão tanto da teoria quanto da prática, e estimula o aluno a encontrar soluções. Logo, o estudante faz parte da construção do seu próprio conhecimento.

3. Questionar os alunos sobre o conteúdo ministrado

Depois de aplicar um conteúdo, questione os alunos sobre o que entenderam e como usariam essas informações em suas vidas. Dessa maneira, incentive a relação interpessoal para que a aprendizagem ocorra.

Inclusive, sugira que eles tragam temas de interesse para ser debatidos em sala de aula e promova a troca de opiniões. Além de escutar, os jovens gostam de ser ouvidos. Consequentemente, ampliará o espaço de protagonismo deles na escola.

4. Implementar soluções digitais

Essa geração Z nasceu na era da tecnologia, então, tem grande familiaridade com os recursos digitais. Logo, a escola necessita investir nesse processo e inovar nas aulas. Se antes os celulares eram problemas em sala de aula, agora, tornaram-se ferramentas importantes de aprendizagem.

O mesmo acontece com a Internet das Coisas (IoT) na educação, além de incentivar as aulas de programação para desenvolver o raciocínio-lógico dos jovens. Atualmente, é relevante criar um ambiente virtual de aprendizagem personalizado e responsivo para que o aluno possa utilizá-lo em qualquer dispositivo móvel.

Ademais, os professores podem usá-los para suas capacitações, familiarizando-se com as plataformas para que possam explorá-las ainda melhor. Isso pode ser conferido no Super App AZ, por exemplo, que possibilita a criação de trilha de estudos personalizada por meio do MAPA, conforme as necessidades de cada aluno.

Por conseguinte, gerará mais autonomia e engajamento do estudante. Sobretudo, pode-se desenvolver grupos em redes sociais, fóruns, blogs, chats e outros recursos para estreitar o relacionamento e promover o conhecimento.

5. Estimular a autonomia e a proatividade dos alunos

Evitar a passividade é uma estratégia para que eles não fiquem desmotivados. Ao fazer isso, potencializará a autonomia e a proatividade deles para que se envolvam mais nas aulas. Além disso, criará oportunidade para eles darem suas opiniões, tomarem decisões, resolverem problemas e assumirem a responsabilidade pela sua aprendizagem.

Desse modo, fomentará que tragam problemas reais para serem resolvidos em aula na disciplina específica ao assunto. Ao verem os resultados, vão se sentir capazes, logo, esse prazer será revertido para sua autoestima.

Portanto, para mudar as metodologias de aprendizagem na escola, para uma melhor formação do aluno, é necessário estimular o protagonismo e a autonomia deles. Isso pode ser feito por meio da gamificação, da aprendizagem híbrida e baseada em projetos e da sala de aula invertida. Agora que você já sabe como motivar os alunos para a aprendizagem, comece a aplicar essas dicas e boa aula.

Este post foi útil para você? Então, compartilhe nas suas redes sociais para que outras pessoas saibam mais sobre as estratégias de como motivar seus alunos.